Este Blog é Protegido e Monitorado por:
DMCA.com Protection Status

PAULO FREIRE

em 8 de julho de 2021

 O OBJETIVO MAIOR DA EDUCAÇÃO É A CONSCIENTIZAÇÃO DO ALUNO

A EDUCAÇÃO COMO PRÁTICA DA LIBERDADE.


Paulo Regius Neves Freire, é o mais famoso educador brasileiro. Nascido no Recife, em 19 de setembro de 1921, é considerado um dos maiores pensadores sobre Pedagogia e a Educação, tornando-se o brasileiro mais homenageado na história. 

É um Educador sempre atual, que merece sempre ser revisitado em qualquer tempo da nossa história.

Ganhou inúmeros títulos de Doutor Honoris Causa de diversas universidades americanas e europeias. Foram 29 títulos no total em 41 universidades do mundo, além de outras centenas de menções e prêmios internacionais. Entre esses prêmios, em reconhecimento pelos serviços prestados à Educação e Pedagogia pelo mundo a fora, recebeu da Unesco em 1986, o Prêmio Educação para a Paz.

Em 2012, foi declarado como Patrono da Educação Brasileira, pela Lei 12.612, de 13 de abril de 2012.

Sua principal obra “Pedagogia do Oprimido”, configura como único livro entre os 100 mais pedidos pelas universidades inglesas. De acordo com o Google Acadêmico, Paulo Freire é o terceiro pensador mais citado em trabalhos acadêmicos em universidades da área de humanas em todo o mundo. E quando considerarmos apenas autores da área da Educação, Pedagogia do Oprimido, é o segundo livro mais consultado em bibliotecas de língua inglesa do mundo inteiro.

Ao consultar o Google Acadêmico, pode-se constatar que Paulo Freire já foi citado 476083 vezes (08/07/2021), e só o livro Pedagogia do Oprimido foi citado 79.200 vezes em trabalhos e artigos acadêmicos de diferentes países. Ainda hoje, Paulo Freire é uma grande influência na América Latina e África.

Paulo Freire influenciou enormemente a EJA (Educação de Jovens e Adultos), conhecido pelo método de educação de adultos, método este que levou o seu nome, o Método Paulo Freire, cujo pensamento pedagógico era assumidamente político, ou seja, para ele o principal objetivo da educação era conscientizar o aluno em relação ao seu papel na sociedade,  possibilitando-o transformar-se sempre em sujeito da sua história e do meio em que vive.


A alfabetização para ele, portanto, era um modo  de tornar o aluno protagonista da  própria história, capaz de modificar a realidade a sua volta, utilizando a bagagem social e cultural do aluno e transformá-la em conhecimento.

Em 1963, em Angicos, Rio Grande do Norte, Paulo Freire colocou o seu método em ação pela primeira vez, onde propôs alfabetizar 300 trabalhadores do campo, muitos deles cortadores de cana, domésticas, pedreiros, entre outros adultos em  40 horas de aula ao longo de  45 dias. Isso só foi possível porque a metodologia adotada por Freire, baseou-se nos contextos, saberes e objetos do dia a dia dos trabalhadores, onde ele levou em conta as experiências de vida próprias de cada aluno dando um sentido para o que estavam aprendendo.

As experiências positivas e as ideias inovadoras trazidas por Paulo Freire se expandiram pelo País e o sucesso da sua metodologia o fizeram ser convidado  por João Goulart para preparar o Plano Nacional de Alfabetização, cujo objetivo era  a alfabetização de adultos.  Porém, em 1964, com o Golpe Militar o plano foi interrompido, Paulo Freire passou a ser perseguido e preso por 70 dias e posteriormente exilado do país. O regime militar obrigando-o a exilar-se na Bolívia e também no  Chile.  Só pode regressar ao Brasil 16 anos depois.

Em 1969, Freire lecionou na Universidade Harvard, Estados Unidos. De volta ao Brasil, Paulo Freire foi secretário municipal da Educação, entre 1989 e 1991, na gestão de Luiza Erundina. Faleceu em São Paulo, em 1997.

Atualmente, Paulo Freire é estudado em diversas universidades americanas, vários centros de estudos sobre educação pelo mundo foram batizados com o seu nome como na Finlândia, África do Sul, Áustria, Alemanha, Holanda, Portugal, Inglaterra, Estados Unidos e Canadá, além de ser homenageando com uma escultura na Suécia.

Escultura em Estocolmo, Suécia. 

Apesar de todo reconhecimento que Paulo Freire tem pelo mundo a fora, o seu trabalho como educador e o seu pensamento é alvo de muitas críticas e ainda geram grandes polêmicas em torno do seu nome. Entretanto, é inegável o legado de Paulo Freire na educação no Brasil e também no mundo.

O Brasil tem vivenciado uma polarização em todos os âmbitos: social, familiar, político e também educacional. Mesmo depois de quase 24 anos de sua morte (2021), Paulo Freire ainda é presença marcante em discussões e debates sobre educação.

Nas manifestações de rua, nos pronunciamentos de alguns políticos, nas caixas de comentários do Facebook  e outras redes sociais, é muito comum ver ataques a Paulo Freire e sua pedagogia,  mesmo sem conhecer sua obra, sua história e o seu legado na educação.

A grande maioria das críticas vem de correntes políticas conservadoras e diz respeito à suposta presença da filosofia freireana nas salas de aulas, nas escolas e também na formação pedagógica dos professores, bem como na atuação destes na transmissão dos conteúdos e na maneira de ensinar.

Entretanto, é válido ressaltar que, Paulo Freire nunca esteve de fato dentro das escolas, nem mesmo na formação dos professores. Suas ideias NUNCA FORAM COLOCADAS EM PRÁTICA de forma sistemática na educação brasileira.

Criticado por uns e rejeitados por outros, o fato é que, Paulo Freire foi um divisor de águas na educação brasileira, além de ser referência internacional no campo da alfabetização, o seu método  que completa 58 anos em 2021, não deixa de ser bastante relevante nas discussões e debates  mundiais sobre pedagogia e educação.