POESIAS DE PEDRO BANDEIRA PARA CRIANÇAS - CANTINHO EDUCATIVO


ESPERO QUE VOCÊ POSSA UTILIZAR DA MELHOR MANEIRA POSSÍVEL,
TODO CONTEÚDO DISPONIBILIZADO NESTE BLOG!

Este Blog é Protegido e Monitorado por:
DMCA.com Protection Status

segunda-feira, 5 de março de 2018

POESIAS DE PEDRO BANDEIRA PARA CRIANÇAS



A MINHA FAMÍLIA

Eu gosto da
minha mãe,
do meu pai,
do meu irmão.
Nem sei como
tanta gente
cabe no
meu coração!




PONTINHO DE VISTA

Eu sou pequeno, me dizem,
e eu fico muito zangado.
Tenho de olhar todo mundo
com o queixo levantado.

Mas, se formiga falasse
e me visse lá do chão,
ia dizer, com certeza:
- Minha nossa, que grandão!




ADIVINHE QUEM SOU EU

Eu tenho cinco pontinhas,
cada uma de um tamanho.

Eu coço a cabeça,
mas não tenho cabeça.

Eu tenho costas,
mas não tenho peito.

Eu tenho uma irmãzinha,
que é igualzinha a mim.

Mas, se você gosta de festa
e de cantar "parabéns",
eu bato na minha irmã
e a minha irmã bate em mim!



MEU ANIVERSÁRIO

Hoje é meu aniversário,
é um dia sem igual!
Eu queria que hoje fosse
feriado nacional!




POR ENQUANTO EU SOU PEQUENO

Por enquanto sou pequeno,
mas vou aprender a ler:
já sei ler palavra inteira,
leio pra cima, e pra baixo,
e plantando bananeira!

Por enquanto sou pequeno,
uma coisa vou dizer,
com certeza e alegria:
sei que nunca vou esquecer
da beleza da poesia!




MEU DESENHO

Com meus lápis de cor,
desenhei um passarinho.
Ele ficou tão perfeito
que até voou pro ninho.




IDENTIDADE

Às vezes nem eu mesmo
sei quem sou.

Às vezes sou
"o meu queridinho",
às vezes sou
"moleque malcriado".

Para mim
tem vezes que eu sou rei,
herói voador,
caubói lutador,
jogador campeão.

Às vezes sou pulga,
sou mosca também,
que voa e se esconde
de medo e vergonha.

Às vezes eu sou Hércules,
Sansão vencedor,
peito de aço
goleador!

Mas o que importa
o que pensam de mim?

Eu sou quem sou,
eu sou eu,
sou assim,
sou menino.




ESSE MUNDO PEQUENO

Sei que o mundo é mais que a casa,
Mais que a rua, mais que a escola,
Mais que a mãe e mais que o pai.

Vai além do horizonte,
Que eu desenhei no caderno,
Como linha reta e preta,
Que separa azul de verde.

Sei que é muito, sei que é grande,
Sei que é cheio, sei que é vasto.

Me disseram que é uma bola,
Que flutua pelo espaço,
Atirada pelo espaço,
Atirada pelo chute. 

De um gigante poderoso;
Vai direto para um gol,
Que ninguém sabe onde é.

Mas para mim o que mais conta
É este mundo que eu conheço
E que cabe direitinho
Bem debaixo do meu pé.




OS MEUS ERRINHOS

Está bem, eu confesso que errei.
Eu errei, está bem, me dê zero!
Me dê bronca, castigo, conselho.
Mas eu tenho o direito de errar.

Só o que eu peço é que saibam
Que eu necessito errar.
Se eu não errar vez por outra
Como é que eu vou aprender
Como se faz pra acertar?

Pais, professores, adultos
Também já erraram à vontade,
Já fizeram sujeira e borrão.
Ou vai dizer que a borracha
Surgiu só nesta geração?

Vocês que errando aprenderam,
Ouçam o que eu tenho a falar:
Se até hoje cometem seus erros,
Só as crianças não podem errar?

Concordem, eu estou aprendendo.
Comparem meus erros com os seus,
Se já cometeram os seus erros,
Deixem-me agora com os meus!



OBRIGADO, MAMÃE!

Hoje é o melhor dia do ano,
É um dia especial.
É mais que aniversário!
Hoje é o Dia das Mães!
É tão bom quanto o Natal!

Vou muito bem na escola
E não fiz nada de errado
Pra ter que bajular.
Então deve ser verdade
Isso que eu quero falar:

Obrigado, mamãe,
Pelas noites mal dormidas,
Pelas horas tão sofridas
Que você me dedicou.

Obrigado, mamãe,
Por esse amor tão profundo,
Por me ter posto no mundo,
Por fazer tudo o que eu sou.

Muito obrigado, mamãe!
Obrigado por seu carinho,
Por todo esse amor, todinho,
Que você deu para mim...
Obrigado, mamãe...


OS SETE GATINHOS

Bete tem sete gatinhos.
Um foi tomar leite, ficaram seis.
Bete tem seis gatinhos.
Um fugiu do cão, ficaram cinco.
Bete tem cinco gatinhos.
Um foi pegar o rato, ficaram quatro.
Bete tem quatro gatinhos.
Um foi comer mingau, ficaram três.

Bete tem três gatinhos.
Um foi ao cinema, ficaram dois.
Bete tem dois gatinhos.
Um foi tomar banho, ficou só um.

Bete tem um gatinho,
tem um gatinho só.
Bete vai dar carinho
pra ele o nome Filó.

Filó é fofo e dengoso,
gostoso de se agradar.
Nem adianta pedir,
esse ninguém vai levar!



QUEM SEMPRE FOI, SEMPRE SERÁ

No passado e no futuro,
preste muita atenção,
para os dois não misturar,
pois só vai dar confusão!

Os políticos prometem,
se ganharem a eleição.
Se mentiram no passado,
no futuro mentirão!

Os ladrões não tem jeito,
pois em tudo põem a mão.
Se roubaram no passado,
no futuro roubarão!

Os cantores e as cantoras
vão cantar suas canção.
Se cantaram no passado,
no futuro cantarão!

As velhinhas tão doentes
tomam mel com agrião.
Se tossiram no passado,
no futuro tossirão!

Quem disser que estou errado,
que não tenho razão,
saiba que eu estou muito certo,
nisso eu sou um campeão!

Pois quem hoje é um boboca
não vai ter conserto não.
Quem foi bobo no passado,
no futuro é paspalhão.


👉 SOBRE O AUTOR: 

"Pedro Bandeira de Luna Filho é um escritor brasileiro de livros infantojuvenis. Recebeu vários prêmios, como o Troféu APCA da Associação Paulista de Críticos de Arte e o Prêmio Jabuti, da Câmara Brasileira do Livro, entre outros". Fonte: Ebiografia.


Nenhum comentário:

Postar um comentário

Se você gostou do Blog, deixe um comentário! A sua opinião é muito importante para mim!
Ficarei muito feliz com o seu recadinho!
Mas antes de comentar, é preciso saber que:
😊 Seja educado (a)! Não xingue ou ofenda ninguém!
😊 Todos os comentários são moderados.
😊 Só serão publicados aqueles que respeitam as regrinhas abaixo:
✔ Comentários ofensivos ou com palavrões não serão publicados;
✔ O comentário dever estar relacionado com o assunto da postagem publicada, caso contrário, ele não será publicado.

Volte sempre! Este espaço é seu!!!