ESPERO QUE VOCÊ POSSA UTILIZAR DA MELHOR MANEIRA POSSÍVEL,
TODO CONTEÚDO DISPONIBILIZADO NESTE BLOG!

Este Blog é Protegido e Monitorado por:
DMCA.com Protection Status

quinta-feira, 29 de dezembro de 2016

CALIGRAFIA: COISA DO PASSADO OU EXERCÍCIO AINDA IMPORTANTE?

Texto de: Camila Moraes


Créditos da imagem: r. nial bradshaw/ Flickr.
Gastamos cada vez mais tempo digitando no teclado do computador e enviando mensagens de texto pelo celular do que escrevendo no bom e velho papel, não é verdade? Será, então, que as crianças desta era digital ainda precisam aprender a antiquada caligrafia?

Muitas escolas já excluíram a atividade de caligrafia dos seus currículos. Os principais argumentos por trás disso são que hoje tudo é feito eletronicamente e que ao se ensinar caligrafia nas aulas perde-se um tempo valioso, que poderia ser melhor aproveitado com outras lições e disciplinas.

Mas isso não quer dizer que o caderno de caligrafia – outrora temido pelos estudantes – precisa, necessariamente ser aposentado. Confira a seguir cinco argumentos que mostram que a caligrafia ainda tem, sim, seu uso:

1. Fomenta o aprendizado. Trabalhar com a palavra escrita é um alicerce fundamental para a aprendizagem. Usando ferramentas avançadas, como a ressonância magnética, os pesquisadores descobriram que a escrita à mão é mais do que apenas uma maneira de se comunicar. A prática com as letras é um excelente exercício cognitivo e físico, auxiliando tanto na composição de ideias e expressão, como no desenvolvimento motor fino.

2. Promove a memória e a leitura. A escrita manual também está ligada à capacidade de leitura, já que promove a memória visual da criança. Estudos mostram que a razão mais comum pela qual alguns alunos têm dificuldade em ler é uma memória visual ruim. Dominar a escrita ajuda as crianças a reconhecer as diferentes letras rapidamente, ajudando-as a se tornarem bons leitores.

3. Ajuda nas notas. Teoricamente, a letra do aluno não tem influência nos testes. Mas na prática, a realidade costuma ser outra. Apesar de serem poucos os casos em que redações ilegíveis são zeradas em provas e exames, estudos indicam que a caligrafia pode impactar para mais ou para menos em até 34% na nota de um exame. Isso porque existe um fator subjetivo em questão: as pessoas costumam julgar a qualidade das ideias de um texto com base na sua escrita.

4. Ela pode ser divertida. Sinônimo de castigo no passado, a caligrafia pode ser um exercício prazeroso para as crianças se for transformada em jogos e brincadeiras,   como nestes exemplos aqui de atividade de caligrafia.

5. Faz parte da nossa cultura. Por último, mas não menos importante, a escrita cursiva é uma parte única e insubstituível de nossa cultura. Isso é particularmente verdade no caso dos idiomas escritos com pictogramas como o mandarim, mas vale também para o alfabeto português. Estilos de escrita são únicos para cada indivíduo e algo que simplesmente não pode ser deixado de lado ou replicado com um teclado.


Vida longa, então, à caligrafia e à escrita cursiva!


SOBRE A AUTORA:

“Ainda sem filhos - mas louca para ser mãe - sou tia de duas lindezas de 1 e 3 anos. Me formei em Letras, tenho planos de me especializar em literatura infantil e, desde a primeira gravidez da minha irmã, fui sugada pelo universo da maternidade. Leio sobre tudo, desde como dar banho em bebê até receita de papinhas, e não vejo a hora de chegar a minha vez de colocar isso tudo em prática! Espero poder compartilhar algumas coisas que aprendi, e principalmente aprender ainda mais com vocês por aqui.” – Camila Moraes

quarta-feira, 28 de dezembro de 2016

SEJA SEGUIDOR(A) DO BLOG ATRAVÉS DO SEU E-MAIL!

Não perca as novidades do Cantinho Educativo!

Seja um seguidor(a) do blog através do seu e-mail!

Basta você clicar no link abaixo!



Lembre de confirmar sua inscrição através do e-mail enviado para sua caixa de entrada. Pois só assim começará a receber as novidades postadas no blog!

MUDANÇAS NAS INSCRIÇÕES POR E-MAIL





Olá Pessoal! Tudo bem com vocês?

Gostaria de comunicar aos seguidores do blog, via e-mail, que a partir de amanhã (29/12/2016), não receberão mais as atualizações das publicações postadas no blog. Ocorreu um problema na alimentação dos Feeds do blog. O Feedburner, que é o alimentador  principal de feed do blog, não está enviando as atualizações corretamente para os e-mails inscritos. Então, todos estes e-mails foram desabilitados para recebimento de atualizações e  excluídos; e o endereço de feed do blog modificado.

Depois das devidas modificações e resolução do problema, quem quiser receber as novidades do blog em seu e-mail, terá que fazer um novo cadastro.

Sei que é chato, mas será preciso! Conto com a compreensão de todos!

Continuem visitando e prestigiando este espaço que também é seu!

Muito obrigada!

Tuca - Cantinho Educativo 

terça-feira, 27 de dezembro de 2016

BOAS FÉRIAS, PROFESSOR!

Querido Professor, sei que este ano não foi nada fácil... Por isso desejo de coração que as suas férias seja um momento para você relaxar, descansar e renovar as suas forças para o próximo ano letivo!
É um momento de restabelecimento físico, emocional e mental. Momento de paz e alegria!
Que esses dias de folga sejam super divertidos e alegres! Afinal, você merece!
Férias, seja muito bem vinda!


sexta-feira, 23 de dezembro de 2016

BOAS FESTAS PARA VOCÊ!

Mais um ano de muito trabalho e grandes resultados se encerra, abrindo caminho para mais sonhos serem realizados. Que o espírito de Natal renove as nossas energias para o ano que vai nascer. A todos um Feliz Natal e um Ano Novo com muitas realizações e sucesso!


Boas Festas!



terça-feira, 13 de dezembro de 2016

LEI 13.146/2015 – LEI BRASILEIRA DE INCLUSÃO


Créditos da foto: Falcon/Pixabay.
Prestes a completar um ano, a  Lei nº 13.146/15  é a legislação mais atual com relação à Inclusão. Ela regulamenta o novo  Estatuto da Pessoa com Deficiência e também é conhecida como “Lei Brasileira de Inclusão”. A  Lei foi sancionada em 6 de julho de 2015, mas só entrou em vigor em 2 de janeiro de 2016.

A referida lei traz orientações e regras para a promoção, ampliação e consolidação dos direitos e benefícios para as pessoas com deficiência. O texto ainda trata de questões relativas à acessibilidade, inclusão em educação, saúde, trabalho e garantias legais para que a pessoa com deficiência exerça a sua cidadania e o seus direitos políticos, preconizando a igualdade de oportunidades, questões estas, muito pouco discutidas e por vezes pouco consideradas até então.

A legislação ainda regulamenta questões como matrículas em escolas públicas e privadas, criação de um auxílio inclusão para os trabalhadores com deficiência, que seria uma renda auxiliar que passa a ser paga a partir da admissão no emprego, prevê ainda que sejam reservadas às pessoas com deficiência o mínimo de 10% das vagas nos processos seletivos para cursos do Ensino Superior. A lei também permite que o FGTS (Fundo de Garantia por Tempo de Serviço) seja utilizado para a compra de próteses e órteses ( apoio ou dispositivo que apoia ou protege a locomoção do indivíduo).

A principal contribuição desta lei foi estar em conformidade com  o texto do Decreto nº  6.949, de 25 de agosto de 2009, que promulga a Convenção Internacional sobre os Direitos das Pessoas com Deficiência, diretrizes que o País segue desde 2009.

Outro avanço possibilitado pela nova legislação, foi a criação de um novo conceito, o de integração total. No texto da lei considera-se a  pessoa com deficiência “aquela que tem impedimento de longo prazo de natureza física, mental, intelectual ou sensorial, o qual, em interação com uma ou mais barreiras, pode obstruir sua participação plena e efetiva na sociedade em igualdade de condições com as demais pessoas” (Artigo 2º), e desta forma, amplia-se a definição de quem são as pessoas com deficiência.

O texto ainda prevê punições e detenção de dois a cinco anos para atitudes discriminatórias e preconceituosas, para aqueles que negar, impedir ou dificultar o ingresso de pessoas com deficiência em planos privados de saúde,  vagas de empregos, recusar assistência médica e hospitalar em razão da deficiência da pessoa.

Créditos da Foto: Public Domain Pictures/Pixabay.
A legislação ainda garante um sistema educacional inclusivo e acesso à rede regular de ensino por parte das crianças e adolescentes com deficiência, medidas estas que não estão muito claras na LDBN 9.394/96. Ela ainda prevê que as escolas, públicas e privadas, ficam proibidas de negar a vaga e a matrícula para os alunos com deficiência. Tais atitudes agora são consideradas crimes, com pena de 2 a 5 anos de reclusão, suscetível ao pagamento de multa pelo descumprimento da lei.

No caso das escolas privadas, elas ainda estão proibidas de cobrar mensalidades  caras ou inserir algum acréscimo nelas devido à deficiência do aluno a ser matriculado.  Também não podem adiar,  cancelar, suspender ou cessar a matrícula do aluno, devido a sua deficiência. Se isto ocorrer, os pais podem entrar na justiça contra a escola. A Lei dá respaldo a eles, pois tais atitudes são consideradas criminosas pela legislação, segundo a mesma, as escolas devem se adaptar às necessidades dos alunos. Devem contar com apoio escolar de profissionais, sem que isso tenha algum custo para as famílias.

A Lei também obriga o poder público a incentivar as editoras  brasileiras à publicarem obras acessíveis para as pessoas com deficiência.

O que fazer para saber sobre a disponibilidade de vagas nas escolas e como proceder diante da recusa ou negativa.

Os pais devem ir até a escola ou ligar, com o intuito de saber sobre a disponibilidade de vagas. É importante que no ato da matrícula, a deficiência da criança seja informada.  Se por acaso, a escola, após este comunicado, informar sobre a indisponibilidade de vagas, é recomendável que seja agendada uma reunião com a diretora da escola.

Se nesta reunião, não tenha obtido sucesso, os pais devem solicitar à diretora uma declaração de recusa, informando os motivos que impedem a escola de aceitar a matrícula da criança com deficiência.

A partir daí, os pais devem recorrer à Secretaria da Educação, munidos desta declaração. Se ainda não obtiverem resultados positivos, é importante buscar auxílio da Defensoria Pública e constituir um advogado, para dar prosseguimento ao caso, propondo uma ação de obrigação.



quarta-feira, 7 de dezembro de 2016

A CONTAÇÃO DE HISTÓRIAS NA EDUCAÇÃO INFANTIL

Créditos da Foto: Sasint/Pixabay
Contar histórias é uma atividade  que faz parte dos fazeres na educação infantil. É uma prática pedagógica bem presente dentro das salas de aula e muito utilizada pelos professores no trabalho com os pequenos.

As histórias são importantes para a formação das crianças e o início da aprendizagem para se tornar um bom leitor. O primeiro contato das crianças com textos é feito de forma oral, através dos pais, avós e outros membros da família, lendo ou contando contos de fadas, fábulas, poemas, trechos da Bíblia, histórias inventadas inserindo as crianças dentro da narrativa, lendo livros curtos ou somente com imagens e por ai vai... em diferentes períodos ou momentos  do dia. 

As histórias despertam na criança o fascínio pela realidade mágica: princesas, príncipes, castelos, bruxas, dragões, e por aí vai... Por isso gostam tanto de ouvir as mesmas histórias várias vezes! Não se cansam com a repetição e amam memorizar as falas das personagens e as partes que mais gostam para repeti-las num outro momento de leitura.

Elas são um importante instrumento para fazer a criança familiarizar-se, desde pequena, com a leitura. Elas contribuem para a ampliação do vocabulário e visão de mundo dos pequenos, além de favorecer o desenvolvimento da linguagem oral e o pensamento, tão importante nesta fase escolar.

As histórias na educação infantil são fundamentais para a formação social e cognitiva da criança. Através delas, a criança poderá vivenciar inúmeras possibilidades de conflitos, medo, tristeza, alegrias, pavor, impasses, e, através  delas, de maneira lúdica, interpretar o mundo e interagir nele. Nestas emoções, vivenciadas através das histórias, as crianças resolvem conflitos internos, além de garantir a construção e desenvolvimento do conhecimento cognitivo e emocional.
Créditos da Foto: semslibrarylady/Pixabay

Sendo o uso das histórias uma importante ferramenta pedagógica na educação infantil, é importante que o professor tenha todo um ritual para tornar este momento algo especial e prazeroso para a criança, algo que toque o imaginário dela.

As rodas da história, são momentos oportunos dentro da sala de aula, onde as histórias favorecem a curiosidade e a emoção nas crianças, despertando o interesse, a imaginação e a memorização delas.

Neste sentido, é preciso que o professor leve em consideração alguns aspectos como:

👉 Faixa etária das crianças;
👉 Quais histórias contar;
👉 Como deve ser o livro: qualidade literária e faixa etária;
👉 Envolvimento das crianças;
👉 Tempo:  a duração das histórias;
👉 Espaço:  disposição do espaço físico: lugares abertos ou fechados (no caso de lugares fechados e com palco, é necessário sentir a acústica, se o palco fica longe da plateia).

Créditos da Fotos: laterjay/Pixabay
Além disso, o professor deve fazer uso de estratégias que favoreçam o encantamento e a fantasia, que faça as crianças ficarem mais atentas, ansiosas e curiosas pela história a ser contada, utilizando-se para isto,  da expressão corporal, gestos, ritmo e entonação de voz.

As crianças da educação infantil, principalmente as do maternal, têm um período muito curto de concentração, por isso, envolvê-las utilizando-se das estratégias acima, faz toda a diferença.

Antes de escolher uma história para contar, é fundamental que o professor conheça a história e considerar que elas devem ser prazerosas, alegres e emocionantes para os pequenos, usando de intervenções para isto, como o uso de músicas, fantoches e outros recursos que podem enriquecer ainda mais este momento.  Devem ser textos curtos e pequenos, com imagens grandes e bem coloridas, de preferência com animais e que sejam próximas da realidade das crianças, para assim despertar a atenção e curiosidade delas, e, ter pouca duração, entre cinco a dez minutos, para não dispersá-las e assim perder o encantamento e a magia.

FORMAS DE CONTAR HISTÓRIAS:
✏ Leitura do livro;
✏ História cantada;
✏ História desenhada na lousa, blocão ou cartolina;
✏ História com dobraduras;
✏ Fantoches;
✏ Teatro de varas;
✏ Teatro de sombras;
✏ Contar o livro (quando há somente imagens e sem textos);
✏ Dedoches;
✏ Avental para contar histórias (com personagens);
✏ Cineminha ou televisão para contar histórias;
✏ Data Show;
✏ Gravuras;
✏ Cd roons;
✏ CDs;
✏ Dramatização;
✏ Utilização do espaço (quando se usa os objetos existentes no espaço para a encenação).

sábado, 3 de dezembro de 2016

CARTÃO DE NATAL - PAPAI NOEL

ESTE MODELO DE CARTÃO DE NATAL, FOI FEITO PELA MINHA AMIGA ROSÂNGELA POLIS,  COM MEUS ALUNOS NA PRÉ-ESCOLA!

OBRIGADA RÔ, PELA SUA CONTRIBUIÇÃO PARA ESTE BLOG! 


MATERIAIS NECESSÁRIOS

PAPEL COLOR SET OU CARTÃO NAS CORES VERDE, ROSA E VERMELHO

CARTOLINA BRANCA

COLA BRANCA 

TESOURA

TESOURA DE PICOTAR

CANETINHAS VERMELHA E PRETA


SUGESTÃO

👉 O GORRO DO PAPAI NOEL PODE SER FEITO COM PAPEL CAMURÇA VERMELHO.

👉 SE DESEJAR, PODE COLAR ALGODÃO NA PONTA DO GORRO.


MOLDE

(PARA FAZER DOWNLOAD DA IMAGEM, CLIQUE NA IMAGEM PARA AMPLIÁ-LA, DEPOIS EM SALVAR COMO).


quinta-feira, 1 de dezembro de 2016

CARTÃO DE NATAL - SINO


MATERIAIS NECESSÁRIOS

PAPEL COLOR SET OU CARTÃO NAS CORES DE SUA PREFERÊNCIA (PARA O SINO)

PAPEL COLOR SET OU CARTÃO NA COR VERDE

COLA BRANCA 

TESOURA


SUGESTÃO

VOCÊ USAR TAMBÉM COMO  CAPA PARA PASTAS E TRABALHINHOS!



MOLDE

(PARA FAZER DOWNLOAD DA IMAGEM, CLIQUE NA IMAGEM PARA AMPLIÁ-LA, DEPOIS EM SALVAR COMO).



Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...